Test
Students For Liberty is the largest pro-liberty student organization in the world.
To get started, please select your region on the map.

Fim Da Guerra As Drogas

Meio século de guerra às drogas: o que conseguimos?

By

Por Jhone Carrinho | 20/4/2020

A nação mais livre de todas, desde Nixon, despreza o direito à escolha individual e criminaliza ostensivamente o uso de drogas. Espelhando esse projeto político, muitas outras nações do mundo copiaram esses projetos desastrosos. Atenção especial deve ser dada à América Latina, com um olhar mais atento sobre a questão colombiana e brasileira.

Colômbia e Brasil são os dois países onde você pode ver claramente o desastre que ocorreu, além do racismo institucionalizado, onde basta ter uma pele mais escura ou morar em um bairro mais pobre que já é considerado um criminoso em potencial, onde estudantes negros que vivem nas favelas são revistadas apenas porque carregam uma mochila escolar nas costas, onde você vê manchetes diárias de cidadãos comuns que foram condenados com severas penalidades criminais por posse de apenas alguns gramas de maconha, enquanto filhos de magistrados apanhados com centenas de quilos da mesma droga foram liberados pelo sistema de justiça.

A iniciativa Reagan


Se você pensa na guerra às drogas pelos padrões atuais, que possui ferramentas e armas especiais, como forças de intervenção rápida que ajudam a prender traficantes em suas casas, isso faz parte da iniciativa Reagan, iniciada no início dos anos 80, embora Nixon tenha sido o primeiro a declarar guerra às drogas, ele foi mais abrangente em sua abordagem, por exemplo, em clínicas onde a terapia era predominante como uma maneira de parar o vício e os viciados recebiam metadona como substituto da heroína. Solicitando metadona e outros métodos de tratamento, além de outros tratamentos paliativos.

Quando a cocaína aparece em cena e requer uma abordagem completamente diferente, da heroína, por exemplo, o que dificulta o gerenciamento desse tipo de dependência, isso assusta muitas pessoas, e aqui a resposta foi muito mais cruel e violenta.

Parece que a orientação política foi baseada na transformação dos negócios do mercado de acordo com desejos e força de vontade. “Se tivermos sucesso em pôr os pés na lua, é claro que podemos eliminar as drogas”, eles poderiam ter pensado. Houve ênfase no estabelecimento de “uma América livre de drogas”, apenas dizendo não, além de uma série de campanhas populares como “Mães contra a direção de embriaguez”, às quais Reagan se apegou e promoveu a droga como um fracasso étnico.

Apesar das mudanças na retórica, a resposta da América ao uso de drogas ilícitas ainda se concentra nas prisões por crimes não violentos que ocorrem devido ao vício em drogas, e muitas dessas prisões são feitas por posse de uma pequena quantidade de drogas.

Quais são os valores práticos dessa estratégia?


Prender usuários de drogas não faz sentido, a menos que o uso de drogas se torne um problema. Prender repetidamente o usuário sob a influência de narcóticos que está invadindo uma casa para pagar por seu vício não resolve o problema, devemos nos ater ao tratamento.

Seria mais eficaz implementar programas de recuperação social, programas aos quais a justiça criminal não presta a devida atenção. Teremos cadeias suficientes para os presos condenados por porte de drogas para uso pessoal na próxima década?

Existem penalidades específicas e mais justas, que às vezes incluem monitoramento ou liberação condicional. Esses tipos de modelos de punição podem ser benéficos, mas, idealmente, não prendemos uma pessoa por usar drogas, mas pelas consequências que resultam do uso da droga, é claro.

Nestes casos, o uso da substância se espalhou para uma área problemática e o cidadão comete crimes causados ​​por vícios, colocando em risco sua vida e a de outras pessoas, e é nesse momento que o estado age (para cumprir seu papel legitimado pelo contrato social, a proteção do indivíduo e de sua propriedade) para intervir e [não] usar corretamente as medidas corretivas.

No entanto, no geral, você encontrará muito poucas pessoas em uma sociedade que lidam com políticas de uso de drogas e acredita que prender pessoas por posse de uma pequena quantia é uma solução razoável para o nosso problema de drogas, como é o caso do ministro do Supremo Tribunal Federal do Brasil, dr. Luís Roberto Barroso, que cita a inconstitucionalidade da criminalização da posse para consumo pessoal, uma vez que viola o direito à privacidade, à liberdade individual e o princípio da proporcionalidade ao mesmo tempo.

Existem soluções criativas para alguns desses problemas, alguns defendem a legalização total, que resolve o problema principal, mas (de acordo com o outro lado da disputa) criaria problemas em outros lugares. Também existe uma abordagem moderada para permitir o uso de apenas alguns medicamentos para fins medicinais ou de lazer em casa.

A guerra às drogas


Independentemente de qual modelo adotar, precisamos de uma reflexão profunda e concisa sobre o problema em si: “a guerra às drogas”. Um século se passou e tudo o que podemos fazer é matar e aprisionar pessoas, a guerra às drogas mata mais do que as próprias drogas.

De fato, é uma guerra contra as pessoas, onde aqueles que mais morrem são os mais vulneráveis.

O suposto problema do uso de entorpecentes não foi resolvido, pelo contrário, piorou em níveis críticos, onde em alguns lugares (como o Brasil), culminou em uma guerra civil nas comunidades, onde, por um lado temos traficantes e, do outro, o aparato estatal com um único resultado prático, a morte de cidadãos comuns.


A questão das drogas deve ser tratada como nunca antes, precisamos abordá-la da perspectiva dos direitos do indivíduo. Se vivemos em um mundo livre, por que criminalizar as escolhas?

O estado não deveria oferecer apoio ao indivíduo que deseja tratamento? Por quanto tempo aceitaremos a prisão de cidadãos com alguns gramas de maconha (por exemplo) e a libertação dos filhos de juízes com centenas de quilos de maconha?

Fracassamos, como sociedade fracassamos, como indivíduos fracassamos, como seres políticos fracassamos quando se trata de política de drogas.

A única coisa que acertamos no meio século passado foi em falhar. Será que somos realmente dignos do termo “seres racionais”, quando somos incapazes de raciocinar para evitar um sistema que serve apenas para matar usuários de entorpecentes?


O problema é profundo, costurado na anatomia do estado, mas neste 20/4, convido todos (políticos ou não) a refletir sobre a última década: já matamos o suficiente ou queremos matar mais pessoas?

Vamos investir em prisões ou escolas? Para onde queremos ir na próxima década? Afinal, todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos?


Sobre o autor: Jhone Carrinho é Coordenador Local do Students for Liberty Brasil, pesquisador da área de ciências sociais, com experiência em pesquisa na subárea de impactos políticos no corpo social. Encontre-o em: [email protected] ou linkedin.com/in/jhonecarrinho


Este artigo não necessariamente representa a opinião do SFLB. O SFLB tem o compromisso de ampliar as discussões sobre a liberdade, representando uma miríade de opiniões. Se deseja ter seu artigo publicado em nosso blog, envie um e-mail para [email protected] ou [email protected]

Write for Us

Our Writers

X