Test
Students For Liberty is the largest pro-liberty student organization in the world.
To get started, please select your region on the map.

Livre Iniciativa E Responsabilidade Moral

O mito do serviço gratuito: entenda porque não existe almoço grátis.

By

A liberdade econômica é essencial para o desenvolvimento de nossa sociedade. Sem ele, nenhum de nós será capaz de exercer nossos direitos e, como resultado, todos nos encontraremos no domínio totalitário da máquina estatal com qualquer ideologia – ela será formada como consequência. Entenda o mito do serviço gratuito:

O Terceiro Reich, a Itália fascista, a União Soviética, a RPDC – todos os regimes criminosos do passado foram uma consequência do socialismo que reinou nesses países, que foi sinônimo de falta econômica de liberdade da sociedade. E todos eles levaram à pobreza, fome, incontáveis vítimas e completa devastação econômica de vários milhões de dólares. A liberdade econômica é a pedra angular de todos os direitos individuais.

Sem ela, nem uma sociedade saudável nem uma família feliz serão formadas – o século XX claramente provou esse fato para nós [1]. Com base na declaração sobre a importância da liberdade econômica, considere o fenômeno do mito do serviço gratuito. Vale ressaltar que foi usado ativamente e está sendo usado pela propaganda de regimes socialistas totalitários como um lucro fácil e uma decepção para os cidadãos economicamente analfabetos.

A base deste mito

Então, qual é o mito dos serviços gratuitos e o que é? Por incrível que pareça, esse fenômeno nos rodeia na vida cotidiana e puxa suas patas com garras em nossa direção, mesmo nos continentes mais distantes – não há como escapar nos EUA ou na Austrália. A base desse mito é que o Estado nos impõe seus serviços sob o disfarce de atendimento gratuito e desinteressado aos cidadãos.

Todos nós ouvimos e continuamos a ouvir sobre medicina gratuita [2], educação gratuita [3] e, em casos especialmente negligenciados, sobre moradia gratuita [4], parece soar muito atraente. Além disso, é habitual, porque o governo muitas vezes fez promessas de vida livre e gratuita aos cidadãos e por esse motivo, muitas testemunhas da URSS hoje defendem ardentemente a provisão orçamentária para todos os benefícios. Qual é o problema e por que a bela palavra “livre” é tão perigosa e enganadora?

A propaganda socialista

O primeiro e o mais óbvio – o mito sobre serviços gratuitos e o mito de que eles não podem ser livres por definição. Vamos dar uma olhada nos exemplos mais marcantes da propaganda socialista: educação gratuita e medicina gratuita. Ninguém duvida que os funcionários das instituições acima sejam remunerados.

Além disso, tanto a educação quanto os cuidados com a saúde precisam de instalações, reparos e equipamentos especiais – especialmente em vista do rápido desenvolvimento da medicina e da evolução tecnológica do processo educacional. Como todas essas coisas são financiadas quando se trata de algo gratuito?

Primeiro ponto: quem paga de fato?

É declarado que o estado paga por tudo. De fato, o estado toma parte dos ganhos dos cidadãos para pagar por todos os itens acima. Conhecemos esse fenômeno como um imposto. Portanto, educação e medicina “gratuitas” são pagas – e pagas pelos cidadãos do estado. Este é o primeiro ponto que precisamos saber para não cair no truque do mito sobre a existência de serviços gratuitos.

Segundo: o cidadão pagando pela própria saúde e educação

O segundo não é tão explícito, existe um problema em os cidadãos pagarem por seus próprios cuidados de saúde e educação para seus filhos por padrão? Existe, e não um. Vamos levá-los todos em ordem.

Como cidadão e indivíduo, você tem o direito de escolher quais serviços deseja e o que não deseja. A educação “gratuita” não dá aos cidadãos a oportunidade de recusar o financiamento obrigatório, mesmo que não planejam ter filhos, a quem precisam educar posteriormente.

Parece, por que pessoas sem filhos pagam as despesas de escolas e jardins de infância? No entanto, a máquina estatal não leva em consideração essas pessoas, os cidadãos não são solicitados – todos têm uma obrigação de pagar e, em caso de recusa, enfrentarão sanções na forma de coerção e/ou prisão [5].

Alguns regimes socialistas totalitários até mesmo preveem a pena de morte por se recusarem a pagar pelos serviços que você não precisa [6].

A centralização dos serviços

Faz-se necessário lembrar que com a centralização dos serviços, você é privado da oportunidade de escolher instituições e especialistas que fornecem os serviços necessários.

Vale ressaltar a divisão aqui: alguns regimes socialistas excluem completamente as empresas privadas, outros não, mas, com isso, não o isentam de ter que financiar serviços “gratuitos”. No primeiro caso, você não poderá escolher uma instituição médica adequada com base em avaliações e não poderá enviar seu filho para uma escola com classificações altas.

A coerção estatal os torna todos iguais. Não importa se você quer que seus filhos estudem em um ginásio ortodoxo ou aprendem astronomia em um liceu na Universidade Estatal – você vai aonde eles lhe dizem de cima, não haverá tal escolha.

No segundo caso, você pode escolher uma escola particular e uma clínica médica particular, mas você ainda precisa pagar pelas instituições do estado, mesmo levando em consideração os preços dos serviços privados – eles não foram cancelados.

Assim, parte do seu salário será destinada a especialistas competentes e tratamento indolor no hospital escolhido, e parte do seu salário será destinada ao financiamento de um hospital “gratuito” pior. E pagar pela educação dos filhos de outras pessoas.

Em outras palavras: uma escola particular competirá com outras escolas particulares. Seus proprietários estão diretamente interessados ​​na qualidade do ensino e na seleção de pessoal altamente qualificado. Seu lucro depende disso: se os clientes não estiverem satisfeitos com o serviço prestado, o dinheiro será destinado a um concorrente.

Os proprietários de um hospital particular estão diretamente interessados ​​em garantir que sua equipe seja a mais profissional e educada, o equipamento seja o mais recente e o tratamento seja indolor.

A disseminação da informação na sociedade

Muitas pessoas temem que esses estabelecimentos também estejam interessados ​​em enganar seus clientes por imposição de serviços desnecessários: no entanto, na maioria das vezes esse medo não é justificado. Obviamente, é impossível rastrear completamente a tendência da imposição de serviços pagos, no entanto, a disseminação de informações sobre essas práticas ameaça o proprietário com uma diminuição no número de clientes e perda de lucro.

Mas os trabalhadores de escolas e hospitais públicos “gratuitos” tem baixa remuneração – e, portanto, a chance de ser transferido para uma instituição privada com um salário decente é extremamente rentável para eles. No entanto, o trabalho nas instituições estatais é praticamente garantido: os baixos ganhos são compensados ​​pela oportunidade de ocupar sua casa por muitas décadas. Seus baixos ganhos não os motivam a se desenvolver na esfera profissional, e o comportamento agressivo não ameaça a perda de clientes. 

O monopólio do estado

Assim, o estado monopoliza os setores educacional e de saúde. Seus lucros crescem na proporção de como se degradam. O proprietário (neste caso, representado pelo estado) não tem motivação para estimular o pessoal ao desenvolvimento, o pessoal também não tem motivação para se desenvolver. Como resultado, recebemos baixos níveis de assistência médica e baixos níveis de educação básica em todo o país. Todos sabemos as consequências e resultados da educação brasileira na “pátria educadora” – piores índices de educação básica no PISA [7].

Por fim, alguns irão dizer que a socialdemocracia Sueca, um paraíso onde um governo benevolente deixou todos os cidadãos felizes e prósperos, é o exemplo cabal que prova a eficácia dos serviços estatais. A estes, recomendo uma reflexão mais profunda sobre a realidade da Suécia, consulte aqui.


Sobre o autor: Jhone Carrinho é Coordenador Local do Students for Liberty Brasil, pesquisador da área de ciências sociais, com experiência em pesquisa na subárea de impactos políticos no corpo social. Encontre-o em: [email protected] ou linkedin.com/in/jhonecarrinho


Este artigo não necessariamente representa a opinião do SFLB. O SFLB tem o compromisso de ampliar as discussões sobre a liberdade, representando uma miríade de opiniões. Se deseja ter seu artigo publicado em nosso blog, envie um e-mail para [email protected] ou [email protected]

Write for Us

Our Writers

X