Test
Students For Liberty is the largest pro-liberty student organization in the world.
To get started, please select your region on the map.

Livre Iniciativa E Responsabilidade Moral

Contrato social pós-pandemia COVID-19

By

A pandemia de COVID-19 expandiu profundas falhas na economia global, expondo dramaticamente as contradições e desigualdades do mundo moderno. E ela multiplicou e fortaleceu as vozes daqueles que pediam reformas em larga escala.

Mesmo que um membro de Davos [1] exija um “reajuste global do capitalismo”, você percebe que a mudança já começou.

O que propõem os políticos

Os programas políticos atualmente propostos têm várias ideias comuns. Para preparar a força de trabalho para novas tecnologias, os governos devem expandir o sistema de ensino e os programas de treinamento profissional, além de melhorar sua integração com os requisitos do mercado de trabalho. Além disso, é necessário fortalecer a proteção social e o seguro social, especialmente para os trabalhadores da economia de serviço e para aqueles que trabalham em condições precárias.

De maneira mais ampla, o declínio do poder de negociação dos trabalhadores nas últimas décadas indica a necessidade de novas formas de diálogo social e cooperação entre trabalhadores e empregadores. É necessário introduzir uma tributação progressiva melhor planejada para lidar com a crescente desigualdade de renda.

É necessário intensificar a política antitruste para garantir maior concorrência, e isso é especialmente verdadeiro para redes sociais e novas tecnologias. A mudança climática deve ser resolvida resolutamente. Finalmente, os governos devem desempenhar um papel mais ativo no estímulo de novas tecnologias digitais e verdes.

Juntas, essas reformas mudariam significativamente o trabalho de nossa economia. No entanto, em um sentido fundamental, eles não mudam a ideia de como uma economia de mercado deve funcionar. Eles não representam uma política econômica radicalmente nova. Mas o mais importante é que eles ignoram a tarefa central que devemos resolver: a reorganização da produção.

Os problemas econômicos

Nossos principais problemas econômicos – pobreza, desigualdade, marginalização, insegurança – têm muitas causas. No entanto, são diariamente reproduzidos e amplificados no curso das atividades produtivas, tornando-se um subproduto instantâneo das decisões tomadas pelas empresas em relação a emprego, investimento e inovação.

Na linguagem dos economistas, essas decisões estão repletas de “externalidades”: as consequências dessas decisões afetam indiretamente outras pessoas, outras empresas e partes da economia. As externalidades podem ser positivas, por exemplo, pesquisa e desenvolvimento criam conhecimento secundário adicional, e esse fato é universalmente reconhecido (é uma ocasião para benefícios fiscais e outros subsídios estatais). Entre os exemplos óbvios de externalidades negativas estão a poluição ambiental e o impacto das emissões de gases de efeito estufa no clima.

Efeitos indiretos semelhantes também incluem externalidades de “bons empregos”. Esses empregos são relativamente estáveis, remunerados em um nível suficiente para manter um padrão de vida aceitável, com uma sensação de segurança e economia, garantir condições de trabalho seguras e abrir oportunidades de carreira. As empresas que os criam contribuem para a vitalidade de suas comunidades.

Escassez de bons empregos

Pelo contrário, a escassez de bons empregos geralmente leva a altos custos sociais e políticos: famílias desfeitas, abuso de álcool e drogas, crime, diminuição da confiança no governo, especialistas e instituições, polarização partidária, nacionalismo populista. Há também uma clara ineficiência econômica, uma vez que as tecnologias para aumentar a produtividade permanecem à disposição de várias empresas e não são distribuídas, o que leva a taxas anêmicas de crescimento geral dos salários.

As decisões das empresas sobre quantos trabalhadores precisam contratar, quanto precisam pagar, como organizar seu trabalho, afetam não apenas o tamanho de seus lucros. Se a empresa decidir automatizar a linha de produção ou terceirizar parte de sua produção para outro país, os residentes locais começarão a sofrer danos a longo prazo que não são levados em consideração e não são compensados ​​(a chamada “internalização”) pelos gerentes e acionistas da empresa.

A base da maioria dos argumentos de hoje, bem como o modelo do estado social tradicional, é a ideia implícita de que os “bons empregos” da classe média estarão disponíveis para todos que possuam habilidades profissionais adequadas. Desse ponto de vista, a estratégia correta para estimular o crescimento inclusivo seria uma estratégia que combine os custos de educação e treinamento, uma taxa progressiva e um sistema de benefícios, além de um seguro social contra riscos individuais, como desemprego, doença e incapacidade.

Insegurança econômica e desigualdade: problemas estruturais

Hoje, porém, insegurança econômica e desigualdade são problemas estruturais. Tendências de longo prazo em tecnologia e globalização estão destruindo o meio da pirâmide de distribuição. Como resultado, o número de empregos pobres que não oferecem estabilidade, remuneração adequada e progresso na carreira está crescendo, enquanto o mercado de trabalho fora dos principais centros urbanos está em um estado constantemente deprimido.

Para resolver esses problemas, precisamos de uma estratégia diferente, diretamente direcionada à criação de bons empregos. A ênfase deve estar em garantir que as empresas internalizem as consequências econômicas e sociais de suas ações. É por isso que o setor manufatureiro deve estar no centro da nova estratégia.

Grosso modo, devemos mudar o que exatamente produzimos, como o produzimos e quem tem o direito de votar na tomada dessas decisões. Isso requer não apenas uma nova política, mas também a reconfiguração de uma política existente.

Novas políticas para resolver esses problemas

Políticas ativas do mercado de trabalho projetadas para expandir as habilidades trabalhistas e torná-las atraentes para os empregadores devem ser complementadas por parcerias com empresas [2]; e seu objetivo declarado deve ser criar bons empregos. As políticas industriais e regionais, agora focadas em incentivos fiscais e subsídios ao investimento, devem ser substituídas [3] por serviços e comodidades de negócios individualizados que ajudam a criar o número máximo de empregos.

Os sistemas nacionais de inovação precisam ser reconstruídos [4] reorientando os investimentos em novas tecnologias em uma direção mais favorável ao emprego. E programas de mudança climática, como o Acordo Verde Europeu [5], devem estar diretamente ligados à criação de empregos nas regiões menos desenvolvidas.

A nova ordem econômica exige um acordo franco de troca entre empresas privadas e governo. Para prosperidade, as empresas precisam de uma força de trabalho confiável e experiente, boa infraestrutura, um ecossistema de fornecedores e parceiros, fácil acesso à tecnologia, um contrato que funcione bem e um regime de direitos de propriedade. Quase tudo isso é garantido por ações coletivas e estatais, portanto, é uma parte estatal da transação.

O papel dos Governos

E os governos, por sua vez, precisam de empresas que internalizem as várias externalidades que a população local e a sociedade têm por causa das decisões das empresas sobre trabalho, investimento e inovação. A empresa deve cumprir sua parte da transação, e não dentro da estrutura de responsabilidade social corporativa, mas dentro da estrutura do regime de regulação e gerenciamento declarado diretamente.

A nova estratégia deve, em primeiro lugar, abandonar a separação tradicional de políticas para promover o crescimento econômico e as políticas sociais. Acelerar o crescimento econômico requer a difusão de novas tecnologias e capacidades produtivas entre pequenas empresas e entre amplos segmentos da força de trabalho; eles não devem ser usados ​​apenas por uma elite estreita. Enquanto isso, melhores perspectivas de emprego reduzirão a desigualdade e a insegurança econômica com muito mais eficácia do que a redistribuição da renda através do orçamento do estado. Simplificando, a agenda social e a agenda do crescimento econômico devem se tornar uma agenda do governo único.


Sobre o autor: Jhone Carrinho é Coordenador Local do Students for Liberty Brasil, pesquisador da área de ciências sociais, com experiência em pesquisa na subárea de impactos políticos no corpo social. Encontre-o em: [email protected] ou linkedin.com/in/jhonecarrinho


Este artigo não necessariamente representa a opinião do SFLB. O SFLB tem o compromisso de ampliar as discussões sobre a liberdade, representando uma miríade de opiniões. Se deseja ter seu artigo publicado em nosso blog, envie um e-mail para [email protected] ou [email protected]

Write for Us

Our Writers

X